• Mcquade, o Lobo Solitário (Lone Wolf McQuade 1983)

    Chuck Norris em um clássico absoluto mesmo depois de 30 anos de seu lançamento [...]

  • HELLDRIVER (2010) CLÁSSICO GORE

    Desde que George Romero criou seu clássico definitivo A Noite dos Mortos Vivos (1968), é praticamente impossível dizer quantos filme sobre o tema zumbi foram feitos até hoje, está aí um trabalho que nenhum historiador se aventurou até hoje. Helldriver é uma das mais divertidas referencias ao estilo zumbi. Um George Romero com anabolizantes . [...]

  • DEIXEM AS BALAS VOAREM

    Esse filme estreou em 2 de março no mercado americano e como fã do grande ator Chow Yun-Fat não poderia deixar de destacar este filme chinês de 2010 dirigido por Jiang Wen (A Arma Perdida, Guerreiros do Céu e da Terra, Os Demônios Batem na Porta)[...]

  • E AGORA DC COMICS? LIGA DA JUSTIÇA vs VINGADORES

    Depois do estrondoso sucesso do blockbusters Vingadores, surgem vários rumores sobre o desespero da Warner em colocar o projeto Liga da Justiça como prioridade. A DC Comics sempre achou que tinha os heróis mais rentáveis, que os da Marvel, e que não precisava se preocupar com Vingadores[...]

  • EU ODEIO O NOVO 007

    Todas as pessoas tem direito de não gostar de alguma coisa e tem o direito de discordar, em 2005 eu criei a comunidade no quase finado orkut (Eu Odeio o Novo 007), e não fui o único já que existe o site Daniel Craig is not Bond.com que está no ar a todo vapor.[...]

  • ANIMAÇÃO RUIN (2012)

    Dois anos foram necessários para a realização desse curta, criado por Wes Ball nos estúdios Oddball Animation, a animação RUIN é um espetáculo visual pós-apocalíptico com fortes influências de filmes como Fuga de Nova York (Escape from New York) filme dirigido por John Carpenter em 1981.[...]

  • RESIDENT EVIL CAFE BAR

    Já imaginou comer num restaurante temático baseado na série Resident Evil. Situado no município de Shinjuku, no Japão, o estabelecimento foi batizado de Capcom Bar.[...]

  • DIRTY LAUNDRY - A volta do Justiceiro

    Parece que Thomas Jane está com saudades de sua época de Justiceiro, Jane apareceu na San Diego Comic-Con com um fã-filme completamente não-oficial que gira em torno do personagem. O curta chamado DIRTY LAUNDRY [...]

  • HELLBOY realiza sonho de um garoto de 6 anos

    Ator Ron Pearlman famoso por seu personagem Hellboy, deu um exemplo que muitos atores metidos a estrelas deviam seguir. Junto com Make-a Wish Foundation, uma fundação que ajuda crianças com doenças graves a realizar sonhos. [...]

domingo, 27 de março de 2016

Batman vs Superman: A Origem da Justiça (Batman vs Superman: Dawn of Justice, 2016), filme ou videoclipe?

Posted by Cândido Augusto on 20:00


Quando li O Cavaleiro das Trevas pela primeira vez, aquilo era um chute no estômago, aquilo era o Batman mais fodao de todos os tempos, Frank Miller tinha virado Deus, primeiro a revista saiu em 4 edições depois encadernada, tudo se esgotando rapidamente e depois uma segunda edição encadernada com uma nova capa. Na época tudo era disputado a peso de ouro. Já naqueles tempos todo mundo imaginava aquela revista no cinema e o nome de quem deveria ser Batman na mente de muitos era o de Clint Eastwood. 


30 anos depois chega aos cinemas Batman vs Superman, Frank Miller não é mais Deus, da inocente ideia que tinhamos de Clint Eastwood no papel, nos sobrou Ben Affleck. E o chute no estômago ficou a sensação de chute no saco. 

Quando fiz o post Quantos filmes existem em O Homem de Aço (Man of Steel, 2013) ? houve bastante críticas, e infelizmente tudo que esta lá, não mudou nesse novo filme. Eu não vejo mais a intenção de se fazer um filme com um cuidado extremamente técnico e artístico mesmo sendo um filme de super heróis, não existe a intenção de se criar um filme que possamos chamar de clássico.

No meio disso tudo apenas decisões executivas, de acionistas e responsáveis pelo marketing, muitos devem gritar nas reuniões: "Se a Marvel pode porque não podemos, não interessa como... é para ontem !!!".. e no comando disso tudo um diretor fanfarrão que parece ter faltado a varias aulas da escola de cinema, se é que ele passou por elas. Diretores não são mais os mesmos de outras épocas, imaginem se Três Homens em Conflito (Il buono, il brutto, il cattivo, 1966) fosse feito hoje, os acionistas iriam reclamar com Sergio Leone para mudar tudo porque não dava para estampar três bandidos no mclanche feliz ou ter brinquedos daqueles personagens. 

O que temos hoje são o os três heróis em conflito Batman, Superman e Mulher Maravilha. Não sabemos quem é o bom ou mau, so sabemos quem é a bela. Então vamos lá aos erros e acertos de Batman vs Superman: A Origem da Justiça (Batman vs Superman: Dawn of Justice, 2016), não vou me preocupar com spoilers, porque todos os spoilers estão nos trailers. 

Zack Snyder

Em Batman vs Superman: A Origem da Justiça (Batman vs Superman: Dawn of Justice, 2016), Zack Snyder faz questão de enfatizar sua mão pesadíssima na direção, não se decide se faz um filme ou um vídeo clipe de 2 horas e 30 minutos. Mesmo sabendo que a maior parte do público ja passou por 3 versões de origem do Batman, a de Tim Burton a de Joel Schumacher e da Christopher Nolan. Snyder faz questão de mostrar a sua meio que na marra, depois de já ter gasto quase uma hora de filme contando a origem do Superman no primeiro filme, neste ele resolve estender a origem do Batman no mesmo patamar, e ainda repeti-lá em vários flashbacks . 

O filme do século pode ser descrito como um vídeoclipe gigante, isso ate poderia não ser um defeito, porque outro filme que também é um videoclipe gigante, mas pouca gente teve coragem de falar é Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road, 2015), tanto é verdade que o filme só ganhou Oscar nas partes técnicas. Só que no caso de Mad Max, a seu favor temos a genialidade de George Miller, que conseguiu dosar CG com efeitos práticos como um mestre de relógios suíços, e ainda filmando em plena luz, algo que Snyder parece ter medo. Todos devem estar se perguntando como seria a Liga da Justiça de George Miller, ainda mais depois de tantas criticas a Snyder. Algumas fotos da Mulher Maravilha de Miller podem ser conferidas: 



Enquanto Zack Snyder não se livrar do pessoal que faz a fotografia e cortes de seus filme nunca vai perder a alcunha de diretor de video clipe. 

Ficar insistido em fotografia escura só serve para uma coisa esconder defeitos visuais, tentando enganar as pessoas dizendo que é uma assinatura pessoal. 

Nem para aproveitar a HQ que fazia alusão a Luz e as Trevas, Snyder não pode se beneficiar já que luz não e seu forte. Essa HQ é uma aventura, onde é revelada a fraqueza do super-homem à magia, que pode ser encontrada no nº 8 da revista super powers de 1988.

O mesmo que acontece com foto manipulação, quando um artista vê que com não consegue chegar no realismo vai apelando em usar filtros e escurecer as partes onde se achariam os defeitos. Isso não é um defeito só de Snyder outros diretores se valem da mesma artimanha, como Sam Mendes fez no 007 das trevas em Skyfall.



Batman versão Zack Snyder 

Um ponto positivo de Snyder foi que ele teve mais coragem que Nolan, em fazer seu Batman mais brutal e quebrador de ossos, não entendi esse frenesi por causa do Batman usar armas já que em suas primeiras HQs ele usava armas e matava. A mesma coisa que aconteceu na franquia 007 diziam que o personagem estava desgastado e ouve o reboot, parece que o Batman do Nolan também esta ultrapassado, já que muitos dizem que esse é o melhor Batman que já viram em tela. 

A cena onde o Batman vai salvar a Martha Kent dos seqüestradores vem causando uma comoção no meio nerdistico, parece até uma obra prima, talvez por se tratar de Snyder seja mesmo. Nenhum outro diretor elevou as lutas do Batman tão bem como Snyder, mas uma cena desse tipo num filme dessa grandiosidade, não é mais do que a obrigação do diretor. 


Alguém pode perguntar até parece que tem como fazer essa cena melhor?....lógico que tem. Vamos nos imaginar na posição do Zack Snyder com mais de 200 milhões para gastar, como ele poderia ter se tornado um diretor fodão, imaginem essa cena de luta cena em um único take sem cortes. Outros diretores com menos recursos já andam tentando isso, como no filme Kingsman: Serviço Secreto (2014), o que estraga no Kingsman e que fica claro uma trucagem muito bem feita, e ainda mais claro que o ator que estava ali não convence ninguém como lutador. 

Mas vamos ser justos pontos positivos para Snyder nesta cena, dever de casa cumprido. A escolha de Jeremy Irons para o papel de Alfred também caiu como uma luva, um Alfred mais técnico e menos médico, funcionou bem. Ben Affleck como Bruce Wayne não convence tanto, como Batman ele se saiu melhor não compromete, mas daí dizer que ele é o melhor Batman de todos é outra coisa. Não vou nem destacar que o maior detetive do mundo caiu num plano tosco como o de Luthor, coisas que só Snyder consegue. 

Superman 

O calcanhar de aquiles no filme novamente está na visão de Snyder com Superman, Henry Cavill também não ajuda muito, atuando melhor no filme anterior do que neste. Talvez a intenção de Snyder seja mesmo de levar sua visão do Superman o mais próximo possível do jogo Injustice: Gods Among Us, só assim para explicar a apatia desse Superman. Se é realmente intencional mostrar um Superman desse jeito para trazer ele de volta nos próximos filmes totalmente diferente, ou é mesmo falta de direção. 



Mulher Maravilha 

O que dizer de Gal Gadot como Mulher Maravilha, tudo foi feito para sua aparição explosiva. Snyder faz questão de jogar seu momento Sucker Punch (2011), na hora do combate quando a Mulher Maravilha cai no chão, que vai fazer a alegria dos tarados de plantão. 

Os momentos de interação entre ela como Diana Prince e Bruce Wayne, já trazem a lembrança as HQs da Liga da Justiça Internacional. Sem falar no momento James Bond, não tem como não gostar. Por enquanto pouca coisa pode ser dita sobre ela, seu filme solo talvez decida o futuro da Liga da Justiça. 



Lex Luthor

Porrada no Zack Snyder, Jesse Eisenberg como Lex Luthor foi uma péssima idéia. Essa versão "Luthor Mark Zuckerberg era crepúsculo", foi de péssimo gosto. Não se sabe se é realmente o Luthor ou o charada de Jim Carrey. De repente Zack Snyder esteja nos enganando e esse seja o Mister Mxyzptlk, assim como a Marvel fez o Mandarim não era o Mandarim. Não vou nem citar motivações e idéias desse Luthor porque é muita coisa ruim junta.




O Abominável...ops... Apocalypse !! 

 Snyder não aprendeu nada com o filme anterior para este, continua usando suas muletas de CG meia boca, o abominável...ops... Apocalypse é um dos mais terríveis CG já feitos, talvez por isso se justifique essa fotografia mais dark que ele usa, nada melhor para esconder defeitos CG do que usar tanto dark. A luta final contra Apocalipse cai no mesmo problema do filme anterior, consegue ser ainda mais confusa.



E se temos Apocalypse é lógico que temos a morte de Superman, mas nem isso Snyder consegue criar um momento comovente e de real importância. E se o pessoal disser que existe uma perseguição a Snyder é culpa dele mesmo. Um exemplo simples Richard Donner em seu Superman tem uma cena onde as pessoas pensam que Zod conseguiu matar Superman e as pessoas começam a partir para cima do Zod para vingar a morte de Superman. Mas Snyder não consegue fazer uma demonstração de revolta pela perda do Superman de um jeito que demonstre que as pessoas realmente se importavam.

Finalizando

As origens dos personagems comercialmente falando, ate dá para se perdoar, já que a DC Comics não tem mais tempo habil, igual a Marvel teve para fazer cada filme de seus Heróis, a DC esta no esquema do vai ou racha. Enquanto a DC está indecisa eu vou fazendo minha colaboração para a fase 2 e fase 3 da Liga da Justiça neste post Filme da Liga da Justiça: fase 2, fase 3...

Uma pergunta que não me calou durante o filme e vou colocar em letras garrafais é "ONDE ESTÁ AMANDA WALLER?". 

Depois de uma destruição e mísseis lançados onde essa mulher está?. Agora era o momento certo para mostrar como os militares encaram esse monte de meta humanos soltos pelo mundo, mas parece que Snyder deixou isso de lado infelizmente. O tempo que Zack Snyder perde criando tramas paralelas que não acrescentam nada ao filme é realmente incrível.  Outra coisa que ele insiste é ficar tentando impor uma assinatura de diretor que não existe ou é fraca demais para alguém notar. 

O filme do século do derradeiro combate de Batman vs Superman tem ótimas cenas, só que perdidas numa bagunça lembrando um videoclipe da MTV com o dobro de efeitos especiais se comparado com Man of Steel (2013), uma nota 6,0 é o máximo que um filme que em sua natureza deveria ser um clássico consegue alcançar. É triste para mim como fã, que ao invés de um filme grandioso seja apenas um passatempo de 2h:30 de duração. Ainda bem que Ben Affleck fez a cara que muitos fãs fizeram assim que viram esse filme.....

segunda-feira, 14 de março de 2016

Ip Man 3 (2015) - Donnie Yen vs Mike Tyson

Posted by Cândido Augusto on 17:56


Alguns podem estranhar a demora de uma nova resenha do Neuralizador Digital, mas realmente poucos filmes fazem você pular da poltrona. A grande expectativa era O Tigre e o Dragão 2: A Espada do Destino (2016), mas o filme não sai do mediano, e o pouco que se salva devemos a Donnie Yen e a presença marcante de Michelle Yeoh. Não chega nem perto do que foi feito em O Tigre e o Dragão (Crouching Tiger, Hidden Dragon, 2000), o mais estranho é que a direção é de Yuen Woo-ping que com menos já tinha criado um pequena obra prima chamado (A Lenda /Su Qi-Er / True Legend, 2010). Talvez o uso cada vez mais desmedido do 3D no cinema asiático esteja causando esse erros graves. 

Mas muito do que ficou faltando em O Tigre e o Dragão 2: A Espada do Destino (2016), Donnie Yen traz para Ip Man 3 (2015). Desde que iniciou a saga Donnie não decepciona seus fãs em O Grande Mestre (Ip Man, 2008) Donnie já tinha dado um show de lutas impressionantes e extremamente bem coreografadas, e na continuação O Grande Mestre 2 (Ip Man 2, 2010), se superava ainda mais. Mas o que é mais impressionante é que Donnie Yen está com 52 anos e não diminui o seu ritmo, mostrando condicionamento físico de fazer inveja a atletas olímpicos. 

Importante destacar que existe uma pequena confusão sobre quantos filmes sobre o mestre Ip Man existem e qual cronologia está certa. Porque muitos sites de venda de Bluray e até mesmo a Amazon misturam as sagas, vendem os dois primeiros filmes de Donnie Yen junto com um "terceiro" filme, que não faz parte direta, já que pertence a outro diretor e elenco, O Grande Mestre - Nasce Uma Lenda (Ip Man - The Legend Is Born, 2010)

Para os fãs de mestre Ip existem agora um total de seis filmes para serem assistidos. Os filmes que pertencem a Donnie Yen O Grande Mestre (Ip Man, 2008), O Grande Mestre 2 (Ip Man 2, 2010) e O Grande Mestre 3 (Ip Man 3, 2015). Os filmes que pertencem ao diretor Herman Yau como O Grande Mestre - Nasce Uma Lenda (Ip Man - The Legend Is Born, 2010) e O Grande Mestre - A Batalha Final (Ip Man - The Final Fight, 2013) e ainda um filme do ator Tony Leung The Grandmaster (2012) que tem coreografias de lutas feitas também por Yuen Woo-ping. 

Ip Man 3 (2015) trás de volta Donnie no papel de Yip Man o famoso professor de Bruce Lee, mas a aparição de Bruce Lee no filme realmente é a parte mais questionável. Deixando isso de lado já que a saga não segue fatos com fidelidade histórica, se concentrando mais no que interessa a ação. Nesse quesito o filme entrega tudo que os fãs desejam, novamente temos o soberano Yuen Woo-ping como coordenador das cenas de ação. 


Para digamos o "vilão" deste filme temos ninguém menos que Mike Tyason, assim mesmo entre aspas. Porque muitos podem não gostar do desfecho da luta entre Donnie Yen e Mike Tyson. Mas o que interessa é que esses são os grandes momentos que só o cinema pode proporcionar. Uma homenagem direta ao filme Jogo da Morte onde Bruce Lee enfrentava Kareem Abdul-Jabbar. 


Talvez esse seja o único problema do filme já que não temos um grande vilão a quem odiar, ficando a cargo de antagonista o ator Zhang Jin. Que já tinha feito um grande vilão no filme SPL 2: A Time of Consequences (2015). Destaque também para a cena do elevador onde Donnie Yen enfrenta um especialista de Muay Thai, que facilmente entra para aqueles momentos de ouro do cinema de artes marciais. 

Ip Man 3 também não deixa de lado seu lado dramático dando mais ênfase a relação de Ip Man com sua esposa, com belas cenas de Donnie com a atriz e Lynn Hung. Ip Man 3 entrega boas doses de ação impressionante, drama e introspecção na medida certa. 

Os fãs que acompanham a saga não vão se decepcionar, Donnie Yen já deu declarações que este seria seu último filme no papel de Ip Man, mas o filme deixa o final em aberto e pronto para um Ip Man 4, a única coisa que sabemos é que, se é um filme de Donnie Yen nunca decepciona.


sexta-feira, 18 de setembro de 2015

A Espiã Que Sabia de Menos (Spy, 2015) só Jason salva esta tranqueira...

Posted by Cândido Augusto on 08:49


Com as criticas positivas a respeito desse filme, resolvi assistir pensando que ia ser um bom passatempo. Não costumo fazer criticas negativas a respeito de filmes mas este aqui merece cada palavra. Faz tempo que não vejo algo tão ruim quanto este A Espiã Que Sabia de Menos (Spy, 2015)

Não sei quem convenceu a atriz Melissa McCarthy de que ela é humorista. Vendo este filme já sei qual é o futuro de Caça Fantasmas 3, a parceria de Melissa e do diretor Paul Feig que será repetida em Caça Fantasmas é mesmo para aterrorizar qualquer fã. 

Assisti esse filme pensando que ia me divertir um pouco, e olha que eu estava com boa vontade, mas este filme destrói qualquer bom humor. Uma das piores paródias de James Bond já feitas, eu pensava que nada podia ser pior que Austin Powers (1997) mas esse filme conseguiu essa proeza. Enquanto Mike Myers não se levava a sério em nenhum momento, A Espiã Que Sabia de Menos (Spy, 2015) tenta se levar. Agora imagine um filme de comédia que tenta se levar a sério, tem momentos de tiro em algumas cabeças e ossos quebrados que até poderíamos tentar classificar como um pouquinho de humor negro, mas nem isso esse filme consegue fazer direito. 

Só para termos um parâmetro de comparação Johnny English (2003) comparado a este filme, merecia o Oscar e todos os prêmios possíveis. Tudo bem não vamos comparar um humorista de verdade como Rowan Atkinson com Melissa McCarthy que ainda usa o mais que batido estereótipo da "gordinha rejeitada". Atkinson também nunca precisou usar flatulências e vômitos para tentar ser engraçado, coisa que Melissa parece não resistir.

Realmente Melissa McCarthy foi convencida que é a nova promessa do humor, e conseguiu me fazer rever todos os meus conceitos sobre filmes de comédia mal feitos. Quando Steve Martin enterrou o inspetor Clouseau nos dois filmes A Pantera Cor-de-Rosa eu pensei que nada alcançaria esse patamar. Ou mesmo antes quando Roberto Benigni fez O filho da Pantera Cor-de-Rosa (Son of the Pink Panther, 1993) nem queiram saber as minhas palavras "carinhosas" sobre esse filme. 

A única coisa que funciona realmente em A Espiã Que Sabia de Menos (Spy, 2015) é que existia uma boa química entre Melissa McCarthy e Jason Statham. Quando os dois estão em cena e trocam farpas e xingamentos é hilário. Mas adivinha, isso é usado bem pouco no filme, algumas poucas cenas !!!. Parece que Jason Statham é o único que entendeu o espírito da coisa e conseguiu ser o mais engraçado de todos no filme. 


Em uma das cenas quando Melissa McCarthy começa sua verborragia de palavrões contra o ajudante loiro da vilã pode parecer criativo, mas qualquer cinéfilo de plantão não vai conseguir evitar de dizer "Olha lá o Joe Pesci com saias". Até mesmo momentos que parecem uma tentativa de copiar outros filmes são mal aproveitados. Como o do ator Peter Serafinowicz que parece tentar copiar o Galgo que Antonio Banderas fez em Mercenários 3. Quase ia esquecendo que Jude Law também participa deste filme, e o único pensamento que vem a cabeça é: "Ainda bem que ele perdeu o papel de James Bond" se com Daniel Craig já é ruim com Jude Law ia ser pior.


A Espiã Que Sabia de Menos (Spy, 2015) já consegue a proeza de ser um dos piores filmes de comédia de 2015, nem Adam Sandler consegue atingir esse patamar tão rápido. Até mesmo a infeliz tradução do filme, alguém pensou que ninguém ia lembrar do O Homem que sabia de menos (The Man who knew too little, 1997) com Bill Murray. O diretor deste filme será responsável por Caça Fantasmas 3, é sério mesmo?....É algo para fazer qualquer pessoa ter pesadelos !!!

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Agarre-me se Puderes (Smokey and the Bandit, 1977) as curiosidades sobre o clássico filme do Bandido

Posted by Cândido Augusto on 20:23


Se existem um homem que pode ser considerado o primeiro veloz e furioso do cinema seu nome é Burt Reynolds. Com seu famoso Bandido fez do filme Agarre-me se Puderes (Smokey and the Bandit, 1977) um cult obrigatório a todo fã de uma boa perseguição de carros. Se todo mundo hoje adora o carisma de Robert Downey Jr na armadura do Homem de Ferro , assista Agarre-me se Puderes para conferir que Burt Reynolds já tinha feito isso antes usando apenas um carro o famoso Pontiac Trans Am 1977. 

A famosa trilogia do Bandido fez a alegria de muitos na sessão da tarde, o primeiro filme Agarre-me se Puderes (Smokey and the Bandit, 1977) é um clássico cult irretocável , mesmo nos dias de hoje mantém todo seu charme, sua seqüência Desta Vez te Agarro (Smokey and the Bandit II, 1980) elevou ainda mais a comédia. O terceiro filme Agora Você Não Escapa (Smokey and the Bandit Part 3, 1983) conta apenas com uma aparição relâmpago de Burt Reynolds. Eu particularmente gosto do terceiro filme, fica como uma homenagem amalucada ao primeiro e segundo filme. Mas vamos ao que interessa as curiosidades a respeito filme são melhores que qualquer elogio feito, algumas alguns já devem saber mas tem outras que vão surpreender.



Agarre-me se Puderes (Smokey and the Bandit, 1977) que na época de seu lançamento foi a maior bilheteria do cinema daquele ano nos Estados Unidos atrás apenas de Star Wars. Financiado com US$ 4,3 milhões dólares arrecadou US$ 126.737.428 milhões dólares, ficando em segundo fez comer poeira filmes como Contatos Imediatos de Terceiro Grau (Close Encounters of the Third Kind, 1977) e até mesmo 007 - O Espião que me Amava (The Spy Who Loved Me, 1977).


O diretor e ex-dublê Hal Needham originalmente iria usar Jerry Reed para interpretar o Bandido, e o filme teria sido um filme B de baixo orçamento. Dado o fato de Needham ter sua carreira predominantemente como dublê ele tinha grande dificuldade em obter quaisquer aval dos estúdios ou produtores para levar seu projeto a sério. Mas quando seu velho amigo Burt Reynolds leu o roteiro e aceitou fazer o filme, ele se tornou uma super-produção. Nesse caso, Reed conseguiu o importante papel de apoio de caminhoneiro Cletus Snow (Homem de Neve). Jerry acabaria por ser promovido ao status de Bandido no terceiro filme, em que Reynolds só faz uma aparição rápida. Reynolds na época era a estrela número 1 nas bilheterias, levando para casa US$ 1 milhão de dólares para seu papel deixando Needham apenas com US$ 3,3 milhões para fazer o filme. 

No Brasil duas coisas contribuíram ainda mais para o status de cult, além da criatividade absurda de traduzirem "Smokey and the Bandit" para "Agarre-me se Puderes", os outros dois filmes mantiveram essa idéia genial e viraram "Desta Vez te Agarro" e "Agora Você Não Escapa". Outro fator da época foi a dublagem irretocável dos personagens, mas o destaque fica por conta da dublagem do xerife Buford T. Justice (interpretado por Jackie Gleason). No Brasil o xerife foi feito pelo famoso dublador Ionei Silva que já dublou O Mestre dos Magos no desenho Caverna do Dragão e Christopher Lloyd em De Volta Para o Futuro II. Tudo bem que ele fez vários clássicos do desenho e do cinema, mas aqui ele estava inspiradíssimo, umas das dublagens mais inspiradas já feitas no Brasil. 

E falando sobre o xerife o diretor Hal Needham já deu entrevistas onde disse que 75 por cento do que o ator Jackie Gleason disse eram frases criadas pelo próprio ator. Como disse o diretor: "Quem sou eu para dizer ao mestre o que é bom e o que é ruim, você sabe? A maioria de seus diálogos vieram direto de sua cabeça. Você sabe coisas como: "Não há nenhuma maneira que você tenho sido feito por mim", e, "A primeira coisa que vou fazer quando eu chegar em casa é dar uma coça na sua mãe". Ele chamou seu filho de um "Bosta de Carrapato", (No original). Ele tinha todos esses tipos de coisas engraçadas, foi maravilhoso." 

Quando o filme foi ao ar na TV dos EUA no início dos anos 80, a censura caiu em cima justamente nas frases do xerife, que foram consideradas ofensivas. A mudança mais notável foi a substituição da muitas vezes falada frase "sumbitch" de Buford com a frase nonsense "bum scum" ou no literal "bunda suja". Esta frase alcançou um nível de popularidade com as crianças tão grande, que a Hot Wheels liberou uma versão do Firebird Trans Am 1970 com a frase "bum scum", estampada em sua cauda de 2007.




"Buford T. Justice" era o nome de um real policial rodoviário da Flórida conhecido do pai de Burt Reynolds, que já foi chefe de polícia na vida real. De fato o pai de Burt foi a inspiração para a palavra "sumbitch", já que essa frase era muito usada e que Gleason proferiu muitas vezes durante o filme. 

O apelido "Smokey" é uma gíria de rádio na faixa cidadão para policiais patrulheiros estaduais por causa de seus chapéus. A maioria dos estados usam, é chamado "chapéus de campanha" ou com "vinco montana". O chapéu com esse tipo de vinco é de final do século 19. Ele chegou a ser chamado de "Chapéu Urso Fumaça", após o Serviço Florestal dos EUA começou a publicar cartazes de seu mascote vestindo um em 1944.

O filme fez o Pontiac Trans Am um superstar. As vendas saltaram de 68.745 em 1977 para 93.341 em 1978. O famoso carro da Super Máquina (Knight Rider) o KITT, foi uma terceira geração modificada do Trans Am. Segundo o diretor Hal Needham, a Pontiac deu-lhes três Trans Ams e dois Bonneville (carro de patrulha do xerife) com os quais rodaram o filme. 

Needham diz que um dos Trans Ams foi completamente destruído durante a famosa cena do salto na ponte. O Trans Am para o salto da ponte foi equipado com um foguete, o mesmo tipo que foi usado por Evel Knievel durante seu fracassado salto sobre Snake River Canyon. Tanto que o nome de Knievel é citado pelo Homem de Neve durante o filme. O Diretor Hal Needham, foi também um pára-quedista durante a Guerra da Coréia. As acrobacias de Needham podem ser vistas em filmes como A Conquista do Oeste (How the West Was Won, 1962), A Ponte de Remagem (The Bridge at Remagen, 1969) e Pequeno grande homem (Little Big Man, 1970).



Após a estréia do filme de Burt Reynolds foi prometido um Trans Am para o resto de sua vida pelo presidente da GM. No entanto, o Trans Am nunca chegou, e quando Reynolds contatou a GM, disseram-lhe que o presidente anterior da GM que tinha feito essa promessa havia falecido, e o atual presidente da GM não iria respeitar o acordo. Reynolds teve que comprar um. Em 2014, devido a dificuldades financeiras Reynolds colocou em leilão sua vasta coleção de obras de arte e memorabilia, incluindo o Trans Am. 

A famosa cena do Trans Am atravessando o campo de futebol com crianças jogando, foi a cena que quase infartou o diretor Needham, já que a equipe de filmagem não sabia que a grama tinha acabado de ser regada e o carro quase derrapou na multidão de extras. 

Needham surgiu com a idéia para o filme depois que ele soube que o transporte de cerveja Coors a leste do Mississippi era crime de contrabando. Um artigo de 1974 (três anos antes de o filme) explicou porque a Coors era tão procurada e porque as pessoas pagavam um preço tão alto por ela - ela não continha estabilizantes e conservantes. O artigo explica que o vice-presidente Gerald Ford escondeu Coors em sua bagagem depois de uma viagem para o Colorado, para levá-la de volta para Washington. O presidente Eisenhower teve um fornecimento estável levado de helicóptero para Washington pela Força Aérea. A falta de aditivos e conservantes significava que Coors tinha o potencial para estragar em uma semana, se não fosse mantida fria durante todo o seu transporte e armazenamento ao seu destino. Isso explica o prazo de 28 horas do Bandido. 

A cena do lanche na parada de ônibus não estava na história original, foi idéia de Jackie Gleason. Onde o xerife Buford T. Justice pede o famoso sanduíche Diablo e um Dr.Pimenta, aparentemente, um "sanduíche Diablo" é como um "Sloppy Joe" sanduíche de carne moída, mas mais picante. Os "Sloppy Joe" são especiarias são substituídos com taco e a receita pode incluir molho de pimenta, milho em conserva e tomate picado.



 O "Junior" noivo largado no altar por Sally Field foi interpretado por Mike Henry, um ex-linebacker da NFL que interpretou o papel título em três filmes de Tarzan na década de 1960 e tinha trabalhado com Reynolds em Dan August (Serie de TV, 1970) e Golpe Baixo (The Longest Yard, 1974).



Burt Reynolds e Sally Field começaram a namorar durante as filmagens de Agarre-me se Puderes. E continuaram como casal de namorados em cada filme que fizeram juntos Os filmes são: Agarra-me se Puderes (1977), Hooper - O Homem das Mil Façanhas (1978), Desta Vez Te Agarro (1980) e Se Não Me Mato, Morro! (1978). Todos os filmes foram dirigidos por Needham com exceção de Se Não Me Mato, Morro! que foi dirigido por Reynolds.



 O nome verdadeiro do Bandido? É proferido apenas uma vez no filme é Bo Danville. Fred, o cão Bassett Hound animal de estimação do Homem de Neve, foi escolhido pessoalmente por Burt Reynolds. 


E a melhor curiosidade de todas eu deixei para o final a cereja do bolo, a filha de ninguém menos do que Alfred Hitchcock contou uma história sobre seu pai, que toda a quarta feira ficava em seu escritório para assistir seus filmes favoritos e adivinha qual era um dos filmes preferidos que tio Hitchcock assistia várias vezes Agarre-me se Puderes !!!. Se Alfred Hitchcock era fã do filme quem em sua sã consciência pode descordar e ter coragem de falar mal desse clássico. 

O Neuralizador Digital em parceria com o blog Transição Brasil, iniciou uma campanha nas redes sociais para conseguirmos pelo menos uma aparição de Burt Reynolds no próximo Velozes e Furiosos 8 nem que seja só por 5 minutos, já que a saúde de Burt não está das melhores e essa poderia ser uma ultima homenagem a essa lenda ainda viva do cinema. Eu particularmente gostaria de ver o Bandido aparecendo como pai da Michelle Rodriguez, liberando o famoso Pontiac Trans Am 1977 para ela usar !!!. 


 E quem quiser ajudar é só compartilhar pelas redes as fotos da matéria anterior Burt Reynolds para Velozes e Furiosos 8 - (Burt Reynolds to Fast and Furious 8) no Twiter procurem por #BurtReynoldsFastFurious8 e retuitem a vontade. E não esqueçam Burt Reynolds já está influenciando até o novo Deadpool.

E porque estamos fazendo isso?..........


sábado, 4 de julho de 2015

Burt Reynolds para Velozes e Furiosos 8 - (Burt Reynolds to Fast and Furious 8)

Posted by Cândido Augusto on 09:35


Burt Reynolds foi o primeiro "veloz e furioso" do cinema aquele que realmente conquistou todos nos anos 70, pode não ter sido o primeiro mas foi o mais carismático de todos. Imagine um Tony Stark ainda mais abusado. Esse era Reynolds, virou lenda e no Brasil foi rei absoluto da sessão da tarde com seus clássicos Agarre-me se Puderes (Smokey and the Bandit, 1977) que na época de seu lançamento foi a maior bilheteria do cinema daquele ano nos Estados Unidos atrás apenas de Star Wars, e sua seqüência Desta Vez te Agarro (Smokey and the Bandit II, 1980) e o terceiro filme Agora Você Não Escapa (Smokey and the Bandit Part 3, 1983) que trás apenas uma aparição relâmpago de Burt Reynolds.


Sem falar que aqui no Brasil foi onde tudo se converteu para dar ainda mais charme a coisa, os títulos em português dos filmes são geniais, muito melhor que o original sem falar na dublagem, que deu um show a parte. Mas o destaque fica para o dublador do xerife. Se não me engano o dublador foi Ionei Silva que fez o xerife Buford T. Justice (interpretado por Jackie Gleason) merecia um oscar por umas das dublagens mais inspiradas já feitas no Brasil, tudo bem que ele fez outros clássicos do desenho e do cinema, mas aqui ele estava inspiradíssimo.

Esta campanha de Burt Reynolds para Velozes e Furiosos 8 é apenas uma homenagem a este que foi um das maiores lendas dos filmes de perseguição, quem sabe Vin Diesel não se sensibiliza com essa campanha e coloca pelo menos uma aparição de Burt de alguns minutos no filme. Já imaginou Burt Reynolds o famoso Bandido aparecendo como pai da Michelle Rodriguez, liberando o famoso Pontiac Trans Am 1977 para uso !!!. Faria muita gente enfartar no cinema.





Tudo bem que Burt Reynolds atualmente com seus 79 anos anda com sua saúde debilitada e passa por vários problemas mas não custa sonhar. Nos Estados Unidos já existe uma homenagem bem bacana chamada The Bandit Run que é uma reconstituição da viagem retratado no filme Agarre-me se Puderes (Smokey and the Bandit, 1977). Tornou-se um evento anual, a reconstituição foi idealizado por David Hershey e Dave Hall, que queriam comemorar o 30º aniversário do filme clássico. 



O Neuralizador Digital não tem esse dinheiro todo, muito menos um Pontiac Trans Am 1977 para tal. Mas pelo menos temos essa mini campanha e homenagem, que também contará com a parceria do blog Transição Brasil. Quem sabe não conseguimos pelo menos uma aparição de Burt Reynolds no próximo Velozes 8. Quem quiser compartilhar essas fotos é bem vindo para fazer essa homenagem ainda em vida para esse ator que tantas alegrias deu com seu personagem mais querido o famoso Bandido.


‪#‎BurtReynoldsFastFurious8 ‬, ‪#‎BanditRun ‬, ‪#‎BurtReynolds‬ , ‪#‎fastfurious8

sábado, 27 de junho de 2015

Dead Snow 2: Red vs. Dead (2014) cria o Braveheart dos filmes de zumbi !!!

Posted by Cândido Augusto on 17:50


Quando assisti ao primeiro Dead Snow (2009) gostei bastante dessa tranqueira gore que lembrava muito Uma Noite Alucinante - The Evil Dead (1981) e usava e abusava de referências a outros filmes de zumbi. A sinopse do primeiro filme era bem louca, já que um grupo de amigos decidem passar as férias numa estação de esqui norueguesa que fica isolada pela neve. Eles encontram um velho que conta uma história de horror sobre a ocupação nazista na Segunda Guerra, ao encontrar um baú cheio de medalhas de oficiais alemães eles inadvertidamente ressuscitam um exército de zumbis nazistas que querem as suas relíquias de volta. 

Um filme norueguês de zumbi tinha tudo para dar errado, mas pelo contrário tinha tanto sangue voando e violência que fazia o filme Fome Animal (Braindead, 1992), parecer filme infantil. Mesmo assim ainda imaginava que tinha sido um golpe de sorte dos envolvidos na produção, terem criado algo tão alucinado e com tanta demência. 

 Algo que só os asiáticos com seus filmes super-gores conseguem fazer, se existem cinco filmes gores "made in asia" que todo fã deveria assistir antes de morrer ou ser mordido são eles: Tokyo Gore Police (2008), Helldriver (2010) já resenhado aqui no blog, Vampire Girl VS Frankenstein Girl (2009), Gothic & Lolita Psycho (2010) e Robo Gueixa (2009). Esses são o supra-sumo da insanidade humana em forma de película. Se mesmo assim você achar esses filmes fracos tem o Zombie Ass (2011), mas aí é por sua conta e risco...rs 


Mas quando você pensa que um raio não poderia cair duas vezes no mesmo lugar, e que a loucura do primeiro filme não poderia ser superada, somos surpreendidos com Dead Snow 2: Red vs. Dead, que supera qualquer loucura que alguém possa imaginar. Para situar os leitores e tentar dar uma referência apenas com palavras o filme seria um Adrenalina (Crank, 2006) e Adrenalina 2: Alta Voltagem (Crank 2: High Voltage, 2009) versão zumbi misturado com o Coração Valente (Braveheart, 1995) de Mel Gibson. Se bem que o protagonista lembra o Jason Statham. 



 O diretor Tommy Wirkola é o mesmo do filme João e Maria: Caçadores de Bruxas (Hansel and Gretel: Witch Hunters, 2013) mas não se preocupe aqui ele está totalmente descontrolado. Continuando de onde o filme anterior terminou, Martin (Vegar Hoel) que amputou o próprio braço mordido por um zumbi, no filme anterior, está agora tentando escapar dos zumbis nazista. Nessa sua fuga desesperada, dentro de um carro, acaba arrancando o braço do Coronel Herzog, o líder dos zumbis, quando sofre um acidente de carro e fica inconsciente. Martin acorda em um hospital e é colocado sob prisão quando a polícia suspeita que ele matou todos seus amigos. Os médicos implantaram nele o braço do Coronel Herzog (Orjan Gamst), achando se tratar do membro do próprio Martin!!!. No melhor estilo Frankenstein misturado com Uma Noite Alucinante 2 ( Evil Dead 2, 1987) o filme cria cenas completamente loucas. 

Se no primeiro filme a intenção do vilão Coronel Herzog era apenas proteger seus tesouros, aqui a coisa descamba de vez. Ele agora decide cumprir a última ordem dada por Hitler exterminar uma pequena cidade chamada Talvik, que na vida real realmente teve problemas com nazistas, que incendiaram várias casas por lá em 1944. 

Além de se apropriar de uma história real o diretor também aproveita para quebrar regras e paradigmas de filmes de zumbi. Chega dessa frescura de mordida, agora os cadáveres ressuscitam através do toque de mão do vilão Herzog! Basta ele passar a mão na face de um cadáver para revivê-lo. É uma volta ao estilo Zumbi Branco (White Zombie, 1932) com o saudoso Bela Lugosi, onde o personagem também revivia os mortos com feitiçaria. 

Martin também tem a ajuda de um grupo norte-americano chamado Esquadrão Zumbi, formado na verdade por um trio de nerds abobalhados Daniel (Martin Starr) e as beldades Monica (Jocelyn DeBoer) e Blake (Ingrid Hass), ainda bem já que é tanta carnificina que precisa de um descanso vendo as belas, o Esquadrão Zumbi acaba lembrando também os episódios de Supernatural, mas nada que atrapalhe. 


Mas então o que poderia derrotar um exército de zumbis nazistas assassinos? Um exército de assassinos russos zumbis!!!. Ressuscitados pelo novo braço de Martin, criando uma das melhores cenas de zumbis do filme a batalha campal Coração Valente (Braveheart, 1995). 

Dead Snow 2: Red vs. Dead é aquele filme para pegar o Paul W.S. Anderson diretor de Resident Evil, amarrar ele numa cadeira, e mandar ele assistir umas cem vezes. O tipo de filme que faria os produtores de Guerra Mundial Z (World War Z, 2013) fazerem xixi nas calças de tanto medo. 

Já que hoje em dia existe um cuidado de quem você vai usar como vilões nos filmes, nada melhor que zumbis nazistas, que sem perdão entram em um bairro totalmente colorido e pacífico e alegremente obliteram crianças, idosos e deficientes!!! 


 E como não gostar de um filme que encaixa a música Total Eclipse of the Heart da Bonnie Tyler em uma cena de zumbi, essa nem vou contar !!!. E para os leitores já irem entrando no clima:



E o trailer do filme:


Como já disse em outra resenha esse filme é altamente recomendado ao amantes de George Romero, Resident Evil, Silent Hill, The Walking Dead e REC.

domingo, 12 de abril de 2015

Velozes e Furiosos 7 (2015) um grande espetáculo e a homenagem a Paul Walker

Posted by Cândido Augusto on 17:30


Não é qualquer franquia que consegue emplacar sete filmes, até mesmo nosso querido Rocky Balboa só tem seis filmes. Velozes e Furiosos é a franquia em que os críticos de plantão adoram descer a lenha, e ficam procurando cada centímetro de defeitos possíveis, coisas como longo demais, absurdo implausível, uma bobagem sentimental e confuso são algumas das bobagens que podemos encontrar em alguns sites. 

Uma das coisas que fiz para assistir esse filme, e recomendo a quem quiser testar foi fugir de qualquer notícia envolvendo o filme antes de assisti-lo, vi apenas uma vez o trailer e nada mais. Fugi de qualquer informação, fotos, bastidores e qualquer coisa relativa. E garanto que a sua experiência com o filme será muito melhor, por exemplo fui surpreendido com a presença do nosso amigo Kurt Russel. Também estou fazendo o mesmo para Vingadores: Era de Ultron - (2015) e recomendo. Até mesmo se você está lendo esta matéria e ainda não viu o filme pare e assista o filme primeiro. 

Depois de quatorze anos desde do lançamento do primeiro filme Velozes e Furiosos (2001), uma coisa é certa a franquia tem sobrevivido indiferente a crítica. O mais importante é que Velozes e Furiosos chega a sua sétima edição trazendo tudo que os fãs desejam, ação vertiginosa, tiros, MMA, artes marciais, drones, helicópteros e muita destruição. Velozes e Furiosos 7 (2015) acaba se tornando o melhor de toda a franquia. 

A adição de Jason Statham como Deckard Shaw que busca vingança pelo que foi feito a seu irmão no filme anterior, foi brilhante. O melhor vilão de toda a franquia Velozes e Furiosos, as vezes soa um pouco estranho, porque estamos acostumados a torcer a favor dele na franquia Mercenários, e agora temos que torcer contra. Do mesmo jeito que Mel Gibson deu uma aula de vilania em Os Mercenários 3 (The Expendables 3, 2014), agora foi a vez de Jason Statham fazer seu vilão implacável e ruim até o último osso. 


O combate entre Jason Statham e Dwayne Johnson (Hobbs) apesar de curto, faz todo fã de ação brucutu vibrar. O diretor James Wan que muitos achavam que não ia dar conta do serviço, ainda conseguiu inovar com novas tomadas de câmeras para as cenas de lutas. 

A aparição de Kurt Russell (Mr. Nobody) da aquele toque saudosista, para nós que somos fãs de Russel, mas na minha opinião quem deveria estar lá era Burt Reynolds o primeiro "veloz e furioso" do cinema com seus filmes Agarre-me se Puderes (Smokey and the Bandit, 1977) e Desta Vez Te Agarro (Smokey and the Bandit Part 2, 1980) fazia a alegria da sessão da tarde de muita gente, imagina se aparece o Pontiac Trans Am 1977 na franquia Velozes e Furiosos !!!. O mais engraçado é você saber que está envelhecendo junto com os personagens, quando vê que piadas como a U Can't Touch This e a do Lou Ferrigno passam batidas pela maioria das pessoas que estão no cinema.




Um ponto positivo foi o maior destaque da personagem Letty de Michelle Rodriguez, tanto emocionalmente como em lutas, ela já tinha encarado Gina Carano em "Velozes e Furiosos 6", e agora ela sai na porrada com ninguém menos que a estrela do UFC Ronda Rousey, é porrada furiosa para ninguém botar defeito. (Olha e vê se aprende Paul W.S. Anderson !!!)

E nosso amigo Tony Jaa? ...que tantas resenhas teve neste blog, como já tinha dito em outra matéria, quando um artista marcial do calibre de Tony Jaa chega em hollywood a coisa muda de figura. Em Velozes e Furiosos 7 ele entra mudo e sai praticamente calado, mas mesmo assim ele ainda consegue mostrar um pouco de sua arte, vamos aguardar para que "Velozes 7" seja seu passaporte para filmes maiores. 



Fica difícil também de não fazer comparações entre Velozes 7 e a franquia James Bond atual, a franquia James Bond ditava as regras do cinema de ação no passado, e agora parece que vai ter que assistir muito Velozes e Furiosos 7 para buscar idéias, se bem que eles já andam copiando tudo que podem. 

Em Velozes e Furiosos 7 temos uma bela cena estilo James Bond com a atriz Nathalie Emmanuel (Ramsey) saindo do mar numa praia em Abu Dhabi, nos remete direto para a cena de Ursula Andress no filme Dr No (1962) ou até mesmo a de Halle Berry em Um Novo Dia para Morrer (2002). Se Jason Statham como Deckard Shaw é um Black-ops britânico em Velozes 7 e ainda usa um Aston Martin, fico imaginando a surra que ele daria no James Bond de Daniel Craig !!!!. 

E a grande homenagem a Paul Walker que um critico chamou de bobagem sentimental, mostra que ainda existe um coração em hollywood, foi uma bela homenagem. Confesso que fiquei com receio do que ia ser feito, porque me vem logo a memória quando Bruce Lee morreu e fizeram a revelia Jogo da Morte (Game of Death, 1978), na época a forma de colocar Bruce no filme foi imprimir uma foto colar numa cartolina e filmar assim mesmo. Em algumas versões usaram até filmagens do enterro oficial de Bruce Lee sem autorização e colocaram no filme. 

 Então quando um homenagem como a de Paul Walker é feita com cuidado e carinho de todos se torna aqueles raros momentos, em que a vida real e a ficção se cruzam de forma triste mas mesmo assim foi um belo adeus parceiro.



  • RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin

Search Site